CENTENÁRIO GRUPO ESCOLAR JOSÉ ALVIM

Centenário da Escola Estadual “José Alvim”

Discurso: Profª Maninha

"Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal,
Senhores Vereadores,
Senhor Deputado,
Digníssima Senhora Diretora,
Peço licença para saudar todos os Senhores Professores na pessoa da Professora Ellen Siqueira,
Minhas Senhoras,
Meus Senhores

Quis a bondade dos colegas da Escola Estadual “ José Alvim”, o meu querido Grupo Escolar “José Alvim”, escolher-me, para receber homenagem em nome de todos os professores que por lá passaram.

Recebo, com muita honra e emoção, esta homenagem em nome de todos os professores que lecionaram naquela época, hoje centenária.

19 de setembro de 1905, 19 de setembro de 2005. Já lá se vão 100 anos.

1905! No azul das suas manhãs, nas ruas estreitas de Atibaia os carros de bois rangiam melodicamente suas rodas, acordando os sonolentos casarões de taipas, cujas janelas estremeciam.

Os sinos da Matriz, nos domingos repicavam chamando para a missa.

Os cavalos amarrados à porta do velho Santo Rosa, denunciavam a presença dos caboclos na cidade.

Nas ruas estreitas, seus 14.628 habitantes vibravam, nas festas de São João e do Natal, com as procissões, as congadas e as cavalhadas.

À noite. à luz dos  lampiões de querosene, as serenatas falavam de mágoas de amor, de saudades da amada, de esperanças e de sonhos.

1905! Nesta cidade, naquele momento, já não mais vivia o Capitão José Alvim de Campos Bueno,  o Nhô Bim, o grande baluarte da criação do Grupo Escolar; que não pode assistir à concretização do seu sonho.

Bem por isso, por ato do Presidente do Estado da época, Jorge Tibiriçá, foi dado seu nome à escola.

No ano seguinte, 1906, esta Câmara que hoje nos recepciona e homenageia, aprovava a Lei n. 100, instituindo o ensino obrigatório no Município de Atibaia.

Durante 33 anos ali lecionei e vivenciei, no dia a dia, todas as alegrias e todas as dificuldades da Escola.

Nesta hora, sinto desfilar diante dos meus olhos tantas figuras com quem convivi diariamente, como diretores, professores, dentistas, secretárias, serventes e alunos, cujos nomes queridos, se os fosse referir, um a um, levaria a noite inteira e ainda poderia esquecer algum, tantas e tão queridas foram todas essas pessoas.

O Padre Vieira no Sermão da Quarta-feira de Cinzas, pregado em Roma, em 1672, nos dizia:

“Olhai para o passado e para o futuro, e vereis o presente. A razão ou conseqüência é manifesta. Se no passado se vê o futuro e no futuro se vê o passado, segue-se que no passado e no futuro se vê  o presente, porque o presente é o futuro do passado e o mesmo presente é o passado do futuro”.

E por isso, como derradeira lembrança aos alunos, dirigentes e mestres do presente, fica a lição do passado deixada pelo Capitão José Alvim de Campos Bueno, que soube sonhar e soube querer, pois os homens se medem pela capacidade de sonhar e de querer, e o sonho e a esperança temperam a fé.

Feliz do povo que tem homens dessa têmpera, forjados na fé, iluminados de sonho e de esperança.

Muito obrigada."

 

 

 
 
NA MÍDIA
   Notícias do dia
   Banco de Notícias
 
 
Newsletter
Cadastre-se
    Email:

DESTAQUES
 
Imóveis
Oportunidades para locação
   
Casarão no centro para qualquer tipo de negócio

Veja mais informaçães

 
Tecnologia
Baixe nosso app no seu celular e acesse as informações da cidade
 
Jornais
 
Clique aqui para acessar as versões digitais do Jornal Atibaia Mania
 
Especiais
 
Confira matérias exclusivas do Atibaia Mania
 
 
Desenvolvido para visualização em resolução mínima de 1024x768.